Mais de 500 mil brasileiros vendem comida nas ruas
8 de Janeiro de 2018 às 16:05

20180108111525312430e

Mais de meio milhão de brasileiros hoje ajuda a reduzir oficialmente a taxa de desemprego no país vendendo algum tipo de alimento nas ruas. Em uma progressão impactante, o número de pessoas que ganham o sustento como ambulantes de alimentação saltou de 253,7 mil no terceiro trimestre de 2016 para 501,3 mil no mesmo período no ano passado.

Em 2015, quando a atividade começava a dar sinais de que seria uma alternativa à crise, esse patamar rondava os 100 mil, segundo levantamento feito pelo IBGE a pedido da Folha de S.Paulo com base em dados aprofundados da pesquisa Pnad Contínua.

A tendência de queda nos números de desemprego registrada nos últimos meses vem se sustentando nas vagas informais, serviços que não oferecem os direitos e as garantias de um emprego registrado. O avanço dos camelôs de comida correspondeu a aproximadamente 11% da geração de vagas de emprego informal no trimestre encerrado em outubro.

O fenômeno foi identificado pelo Credit Suisse, em relatório que traça cenários para o Brasil. “O forte aumento da população empregada desses ambulantes começou no terceiro trimestre de 2016, tendo sido disseminado em todas as regiões, com destaque para o Nordeste e o Sudeste”, diz o estudo.

Esses trabalhadores estão por toda parte. Vendem sanduíches na praia ou bombons em porta de faculdades. Carregam caixas de isopor com marmitas na calçada de empresas no intervalo do almoço. Montam barracas pela manhã para vender café com leite em locais de grande fluxo, como portas de hospitais ou terminais de ônibus.

A explicação para o crescimento dessas atividades está na baixa exigência de especialização, segundo o economista Sergio Firpo, professor do Insper. Não é necessário ter treinamento aprofundado para preparar um alimento ou revendê-lo pronto. “Você passa a dominar o que precisa ser feito em um tempo relativamente curto. Essas migrações acabam acontecendo mais para os setores de menor qualificação”, afirma o professor.

O aumento da demanda por alimentação mais barata também pode ter impulsionado esse movimento, de acordo com Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE. “Para quem compra, sai mais barato do que o prato no restaurante. Como a crise afetou muita gente, vender comida na rua virou um nicho”, avalia.

A iniciativa ocorre com mais frequência na modalidade conta própria, em que o trabalhador vende alimentos de forma autônoma. Dos 501 mil ambulantes de comida no terceiro trimestre do ano passado, 414,3 mil eram conta própria – ante 221,6 mil em igual período de 2016. O modelo sem carteira assinada, quando ele ajuda alguém na atividade e é remunerado por isso, reuniu 41 mil pessoas (8%) no período.

O coordenador do IBGE Cimar Azeredo lamenta, porém, que não se trate de um movimento empreendedor voluntário do brasileiro, mas sim uma forma de sobrevivência.

 

Da Redação de Jornalismo da Parná FM

ComentáriosComentários