PARTICIPE!
87 9 9974-2504

Parnamirim: Apesar dos avanços, prefeito Tácio Pontes ainda vê muitos desafios a enfrentar

19 set 2018 às 12:48

Ainda comemorando os números animadores na educação de Parnamirim (PE), Sertão Central, o atual prefeito Tácio Pontes (PSB) vê com otimismo o bom momento que atravessa o município. Mas deixou claro que ainda precisa enfrentar muitos desafios. Em entrevista a este Blog, Tácio citou os percalços começando pela própria área da educação. Mesmo atingindo a meta programada do Ideb para 2019, o prefeito destacou que o fato de Parnamirim ser o quinto município em área territorial do Estado, dificulta as ações da gestão. “Temos uma pequena quantidade de alunos para uma grande quantidade de quilômetros rodados”, frisou.

Ele disse que mesmo tendo reduzido o valor pago ao transporte escolar no início de sua gestão, foi obrigado a tirar R$ 140 mil do Fundeb 40 para pagar pelo serviço, já que a contrapartida da União e do Governo não são suficientes. “Conseguimos do ‘A Caminho’ e do PNATE, que são os programas da área nessas duas esferas, pouco mais de R$ 100 mil, e temos uma folha de R$ 240 mil”, afirmou.

Por outro lado, Tácio destacou pontos positivos, a exemplo de avanços na merenda escolar e a implantação do cursinho universitário municipal, que permite aos estudantes da cidade preparam-se melhor para o Enem, de forma gratuita, sem terem de se deslocar a outras cidades. O gestor mencionou ainda ações em busca de água para abastecer povoados rurais de Parnamirim, além da perfuração de quase 200 poços artesianos – considerado um recorde.

Tácio comentou também sobre reformas e equipamentos em postos de saúde e melhorias do hospital municipal, garantindo a presença de médicos – entre outras. “Não adianta a gente dar um passo além do alcance das nossas pernas. Primeiro a gente está garantindo a dignidade do nosso povo, com educação, saúde e água. Temos uma população de mais de 60% vivendo na área rural e que precisam desse mínimo, e que não era mais pra ninguém está lutando, que é água para sobreviver”, finalizou.

Fonte: Carlos Britto